quinta-feira, 24 de maio de 2012

Ciclo



            Todos os dias me ergo sob a égide,
            - hoje é o dia em que tudo cambia,
            todos os dias percorro trilhos curvado face ao calor que emana,
            - não sei por onde vou, não sei para onde vou, sei que não vou por aí,
            todos os dias adormeço confiante que quando acordar o que me rodeia me trará paz de espírito,
            Todos os dias durmo de cintura cingida pela inevitável falácia das minhas convicções.

2 comentários:

*Isis* disse...

Escudo bom esse texto.
Muito bem escrito e muito interessante.

Abraço

James Dillon disse...

Obrigado,

cumprimentos,
JD