sábado, 26 de maio de 2012

XXXV

"...

Não tinha qualquer intenção de me tornar aquilo em que eles me viam, aquilo que, no seu modo especial de luxúria, eles me invejavam, a oportunidade de me tornar um voyeur dos males do mundo e das perversões sociais. Senti, como muitas vezes antes tinha sentido, uma oposição, uma irritação e um rancor que me fazia querer gritar ridiculamente: quero viver!, quero ver pessoas que me interessem e me divirtam, pretas, brancas ou doutra cor. Quero ser eu a tomar conta das minhas relações com os homens e as mulheres que entram na minha vida, e não me importar com abstracções de raça e política. Quero viver! E vocês vão todos para o diabo!

..."


*Excerto retirado de Um Mundo de Estranhos, de Nadine Gordimer, prémio Nobel em 1991.

5 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Obrigado pela sua visita e comentário no On the rocks.
Gostei de conhecer o seu blog e espero voltar a vê-lo por lá.

Francisco Noronha disse...

Meu caro,

Já acabei os exames há muito tempo, mas, por uma merda ou por outra, não me lembrei de te escrever. Por isso me penitencio. Mas, tirando isso, queria dizer-te que estou sem saldo no tlm., mas que quero muito estar contigo. Telefona-me quando vires isto.

Um abraço,
F.

James Dillon disse...

Obrigado pela visita Carlos, é bem possível,

cumprimentos,
JD

Eli disse...

Quero é sentir, embora me esconda dos "males do mundo"...

James Dillon disse...

Eu também, eu também, mas gosto das minhas palavras cruzadas no Público e eles estão lá, gosto da minha persiana aberta de manhã, a brisa entra e refresca-me, mas mal a abro eles entram, bandidos tolos, sem com licença que me salve da surpresa, eu também me quero esconder, mas com sucesso,

cumprimentos,
JD